O Dia do Astrônomo

A Astronomia é, possivelmente, a mais antiga ciência. Desde que nossos primitivos antepassados ergueram os olhos para o céu e se puseram a indagar sobre a natureza dos astros, há astrônomos entre nós. E se, antigamente, bastava um maravilhamento natural e um espírito inquisitivo para alguém poder ostentar o título de astrônomo, nos dias de hoje há que se seguir trâmites legais para alguém ser astrônomo de fato e de direito.

O astrônomo é um profissional extremamente treinado naquilo que faz, formado em uma faculdade ímpar — até 2007 só havia uma faculdade de astronomia no Brasil, pertencente à UFRJ. Há, certamente, menos de 200 bacharéis em Astronomia no Brasil. Há outros profissionais que ostentam o título de astrônomo: físicos, biólogos, geólogos, químicos, engenheiros e matemáticos que optaram por fazer pós-graduação em Astronomia.

Há, ainda, um grande contingente de astrônomos amadores, abnegados que vêm de diferentes áreas do conhecimento e contribuem para o avanço da Astronomia e para sua divulgação. É seguro dizer que a Astronomia é uma ciência que agrada ao público em geral, independentemente da idade, escolaridade, nacionalidade… e, normalmente, é a primeira ciência pela qual as pessoas se apaixonam. Nesse contexto, somos todos astrônomos amadores.

Em homenagem a esses profissionais e amadores da Astronomia, a lei 4.835 da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, publicada em 30 de agosto de 2006, instituiu o dia 2 de dezembro como o Dia do Astrônomo. Tal data foi escolhida por ser aniversário de D. Pedro II, astrônomo amador, grande incentivador da Astronomia de um modo geral e um dos patronos do Observatório Nacional. Como classe profissional, a dos astrônomos talvez seja uma das menores; mas se incluirmos os amadores e os amantes da Astronomia, o alcance desta data se multiplica exponencialmente, revelando sua abrangência e relevância.

Dois de dezembro, o Dia do Astrônomo. Vamos celebrar!