Concerto de encerramento da série musical acontece no dia 18/05

Orquestra
Orquestra Bachiana SCM

No dia 18 de maio, às 20h, acontece no Planetário o concerto de encerramento da série Música de Câmara nas Estrelas, promovida e realizada pela Sociedade Musical Bachiana Brasileira, com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura e do Consórcio Construtor Rio Barra. A série tem o apoio da Fundação Planetário, AMAGÁVEA, Ouro Verde, Cultura & ARTE, Bem-Te-Vi e curadoria de Nelson de Franco e Ricardo Rocha. Entrada franca.

Com mais de 30 anos dedicados à realização de concertos com coro, orquestra e solistas, sob a direção do maestro Ricardo Rocha, a Cia. Bachiana Brasileira traz ao público a première do concerto A Transfiguração Musical no Século XX – Schönberg, Stravinsky, Arvo Pärt. O espetáculo reúne obras emblemáticas escritas no início, no meio e no fim do século XX.

Para garantir presença no evento, é necessário enviar um e-mail para ndefranco@uol.com.br até o dia 18 de maio, às 12h, e aguardar a confirmação. No dia do concerto, basta retirar seu ingresso na recepção do Planetário com, no mínimo, 30 minutos antes do início. Para aqueles que não fizerem a reserva, a lista de entrada será organizada no dia e local do evento 45 minutos antes do concerto até completar a lotação da Cúpula.

Mais informações www.amagavea.org.br.

Sobre o concerto
O austríaco Arnold Schönberg (1874-1951) abre o programa com A Noite Transfigurada (‘Verklärte Nacht’), sua obra prima escrita em 1899 a partir de um poema de Richard Dehmel. Chegando às fronteiras do atonalismo, representava a síntese final do Romantismo brahms-wagneriano, com sua estética descritiva de sentimentos pessoais e humanos.

No contexto da crise do sistema tonal e da criação do Dodecafonismo, apareceu o russo Igor Stravinsky (1882-1971), que traria de volta à Música a pulsão vital e orgânica. A segunda obra de nosso programa é o seu Concerto em Ré, de 1946, portanto após a Segunda Guerra e já distante do serialismo vienense, expressando, porém, a tendência de afirmação rítmica telúrica e da linguagem modal como caminho a ser seguido, o que se deu principalmente nas Américas do Sul e do Norte.

Por fim, representando o final do século XX, será apresentada a obra Fratres, do compositor estoniano Arvo Pärt (1935), escrita entre os anos 1977-1991. Afirmando a linguagem modal como a mais natural do espírito humano, ela nos devolve a experiência da transcendência na música, confirmando a transfiguração musical do século no retorno às origens da sacralidade e da pureza modal.

Sobre Ricardo Rocha – Maestro
Possui os títulos de Kapellmeister (pós-graduação em ópera e concertos sinfônicos na Alemanha), o de Mestre e Bacharel em Regência pela UFRJ, e o de Piano na E.M. Villa-Lobos. É autor dos livros Regência, uma arte complexa (2004), e As Nove Sinfonias de Beethoven – uma Análise Estrutural (2013). Professor da pós-graduação da Faculdade de São Bento e do Conservatório Brasileiro de Música.

Maestro Ricardo Rocha
Maestro Ricardo Rocha

Sobre Nikolay Sapoundjiev
Nasceu na Bulgária. Começou os seus estudos de violino aos 6 anos e graduou-se na Academia Nacional de Música Pancho Vladuiguerov em Sófia. Em 1997, aos 20 anos, iniciou a sua carreira no Brasil na Amazonas Filarmônica e em 2005 assumiu o posto de spalla da Orquestra de Câmara do Amazonas. Desde 2010, é violinista da Orquestra Sinfônica Brasileira. Integra ainda o grupo Corda, especializado na música de Astor Piazzolla, o Quarteto Françaix e a Orquestra Bachiana Brasileira.

Violinista Nikolay Sapoundjiev
Violinista Nikolay Sapoundjiev

Assista abaixo ao vídeo do concerto Transcrições e Intertextualidades, da Cia. Bachiana Brasileira, na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro.