Pipocando Arte – Missão Marte acontece dia 25/11

Tradicionalmente, no último sábado do mês acontece no Planetário o Pipocando Arte. Então, no próximo dia 25, das 10h às 12h, as crianças têm a oportunidade de participar de um programa gratuito recheado de diversão e cultura.  

O tema dessa edição será Viagem Interplanetária. Com a viagem para Marte, o que será que a turma vai encontrar? Como será a aventura até o planeta vermelho? Isso tudo a criançada vai descobrir com as personagens Pipoca e Belinha, durante a encenação da Cia W. Esse. 

Além da apresentação, haverá oficina de arte, em que serão desenvolvidas em grupo atividades de pintura e desenho. O Pipocando Arte acontece nos jardins do Planetário. Em caso de chuva, as atividades serão direcionadas para a área interna.

Venha se divertir com a trupe mais divertida do planeta!

 

 

 

Identificação do Céu encerra ciclo de cursos de 2017

Para quem busca curtir as férias, conhecer melhor o céu, encontrar as principais constelações e asterismos e as estrelas mais notáveis, o Planetário tem um programa especial. O curso de Identificação do Céu acontecerá entre os dias 27 e 30 de novembro e será uma excelente oportunidade para também aprender sobre as fases da Lua e entender melhor a mecânica dos movimentos da Terra e suas consequências, como as estações do ano.

As aulas, que serão ministradas pelos astrônomos Alexandre Cherman e Luis Guilherme Haun, têm como objetivo apresentar as constelações do hemisfério Sul e Norte, de modo que os participantes tenham também contato com a configuração do posicionamento de estrelas que não são possíveis observar do Rio de Janeiro. Essa é uma das mágicas do Planetário: mostrar o céu de qualquer lugar e em qualquer época! Não é necessário nenhum conhecimento prévio de Astronomia.

As inscrições estarão disponíveis a partir do dia 20 e poderão feitas de forma presencial ou, ainda, pela bilheteria.com. A recepção do Planetário estará aberta de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos fins de semana, das 15h às 17h, para realização das inscrições. O investimento é de R$ 40.

Data e Horário: 27, 28, 29 e 30/11, das 19h30 às 21h.
Vagas limitadas.

Mais informações pelo telefone (21) 2088-0536.

 

Planetário e Observatório Nacional: Parceria das Estrelas

O Universo está aumentando de tamanho, e cada vez mais rápido. Essa expansão acelerada é consequência da ação de uma energia cuja origem é totalmente desconhecida, e foi batizada de energia escura. Sabia que cientistas brasileiros estão entre os pesquisadores que buscam compreender mais sobre essa misteriosa entidade?

Uma parceria firmada entre o Planetário e o Observatório Nacional irá mostrar muito do trabalho realizado pelo LIneA (Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia) no projeto DES (do inglês: Dark energy Survey), em busca de compreender mais sobre a energia escura. A ideia é levar ao público detalhes do processo, desde o funcionamento dos equipamentos de observação até análises feitas por astrônomos utilizando os dados coletados.

Aguarde palestras, vídeos e sessões de cúpula com esse objetivo. Esperamos com essa oportunidade falar bastante sobre Cosmologia e a ciência feita por brasileiros. Pretendemos que além de compreender o que os cientistas pensam sobre nosso Universo em grande escala, possamos discutir com vocês a participação brasileira em questões científicas que envolvem projetos internacionais.

Da esquerda para direita: Ana Carolina, diretora financeira da Fundação Planetário do Rio de Janeiro; Dr. João dos Anjos, diretor do Observatório Nacional (ON); Dr. Nelson Furtado, presidente da Fundação Planetário do Rio de Janeiro e Dr. Luiz Nicolaci da Costa, Astrônomo do ON e coordenador do LIneA.

Uma das maiores satisfações para quem trabalha com educação científica no Brasil é falar da ciência feita no país. Por isso estamos muito felizes com essa parceria astronômica!

 

Ondas Gravitacionais

Fonte: LIGO

O sistema binário estava morto; as duas estrelas haviam exaurido todo o seu combustível nuclear e não mais geravam energia. Mas seus corpos continuavam ali, agora mais densos do que antes, na forma de estrelas de nêutrons. Continuavam ali e girando, uma ao redor da outra, cada vez mais próximas, em evidente rota de colisão. Até que, enfim, colidiram.

Isso aconteceu há centenas de milhões de anos. E essa colisão foi tão forte que chacoalhou o espaço-tempo em suas redondezas. E essa perturbação se espalhou em todas as direções, na forma de ondas gravitacionais, como previsto pela Teoria da Relatividade Geral.

Uma vez que entendemos que a gravidade não é uma força em si, como dizia Isaac Newton, mas sim uma curvatura espaço-temporal causada pela presença da matéria (como disse Albert Einstein), não é difícil entender o que seja uma onda gravitacional. A presença de matéria curva o espaço. Se esta matéria muda (ou porque se move, ou porque se junta com mais matéria), esta curvatura espacial vai se alterando. Esta alteração na curvatura do espaço se propaga, como as ondas na superfície de um lago onde jogamos uma pedra.

A teoria é bela, e não é nova. Já sabemos disso há mais de 100 anos. O desafio era medir isso, comprovar de forma empírica o que as complexas equações de cálculo tensorial já afirmavam. Afinal, a passagem de uma onda gravitacional em nossa região deforma todo o espaço. Inclusive as réguas que usamos para medir o espaço. Ou seja, se o espaço encurta (e depois se estica), mas as réguas também encurtam (e se esticam), como medir isso?

Em um texto anterior, falei sobre isso e expliquei o funcionamento do LIGO, o “observatório de ondas gravitacionais por interferometria a laser” (em tradução livre do nome original em inglês). O LIGO revolucionou nossa capacidade de enxergar o Universo, pois nos deu uma nova janela. A janela das ondas gravitacionais. Como um bom pioneiro que é, o LIGO ainda é pouco sensível. Para conseguirmos obter uma medição, é preciso um evento catastrófico, que realmente impacte o espaço! Suas primeiras medições foram de choques entre buracos negros, os objetos mais massivos que existem.

Mas à medida que a tecnologia avança, e entendemos melhor o fenômeno, a sensibilidade do LIGO aumenta. E temos agora o Virgo, um interferômetro semelhante, construído por um consórcio europeu (o EGO, Observatório Gravitacional Europeu, na sigla em inglês), localizado na Itália. LIGO e Virgo detectaram recentemente um choque entre duas estrelas de nêutrons!

Estrelas de nêutrons são objetos astrofísicos, resultado da morte de estrelas de grande massa. Não são tão densos quanto os buracos negros, o que atesta para a eficiência melhorada dos observatórios gravitacionais terrestres. Os modelos teóricos apontavam para uma emissão de raios gama durante tal choque, e isso foi de fato observado por observatórios que operam nesta faixa do espectro eletromagnético.

Pela primeira vez, o mesmo fenômeno foi observado através de ondas eletromagnéticas e ondas gravitacionais. Vivemos tempos empolgantes. O céu é o limite. Literalmente!

Planetário oferece curso gratuito no mês de outubro

A ciência estuda as coisas do mundo. Mas quem estuda a ciência? Essa tarefa cabe à Filosofia da Ciência, que será assunto do próximo curso, que acontecerá entre os dias 23 e 26 de outubro, das 19h30 às 21h, no Planetário da Gávea. O astrônomo Leandro L. S. Guedes ministrará o curso e aproveitará para tirar dúvidas dos participantes.

Durante as aulas, serão abordados os aspectos mais fundamentais do conhecimento humano e todas as consequências da busca pelo que é chamado de saber científico. Serão identificadas e discutidas, ainda, as relações entre ciência, tecnologia e sociedade e as opiniões de filósofos de várias épocas sobre a construção e desenvolvimento da ciência.

Diferentemente dos demais cursos, esse será oferecido gratuitamente, em razão da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Portanto, os interessados deverão realizar as inscrições somente de forma presencial, na recepção do Planetário. Não é necessário ter nenhum conhecimento prévio sobre o tema participar. Inscreva-se e traga suas opiniões!

Atenção: As vagas são limitadas.

 

07/10: Planetário estará fechado

No próximo sábado, dia 07 de outubro, o Planetário da Gávea estará fechado para visitação por cessão de uso comercial. No entanto, no domingo, o espaço estará aberto ao público, das 14h30 às 17h, oferecendo Sessão de Cúpula às 15h, 16h e 17h.

Confira o calendário da programação de outubro aqui.

Sputnik, Filho da Guerra Fria

O produto pacífico da guerra fria foi sua contrapartida espacial: satélites, naves tripuladas e sondas interplanetárias. Na disputa entre EUA e URSS, chamada de Guerra Fria, o importante era fazer mísseis para despejar “horrores” nucleares sobre os inimigos. Felizmente, esta guerra nunca esquentou e, como resultado daquela corrida, temos os satélites artificiais. Faz 60 anos do lançamento do Sputnik.

270,330FãsCurtir
7,827SeguidoresSeguir
402InscritosInscrever-se