Brasil, olha para o céu!

    “Um galo sozinho não tece uma manhã; ele precisará sempre de outros galos”.

    O poema “Tecendo a manhã”, de João Cabral de Melo Neto, fala de algo inerente à natureza humana: a união. É a união que nos transforma em algo duradouro, é a união que nos permite deixar nossa marca na história do mundo. E é da união que surgem as condições para as grandes aventuras humanas. Não basta um corajoso pioneiro; é preciso massa crítica.

    Pensando assim, é natural que as mais diversas atividades humanas queiram atrair para si a atenção das massas. Não é vaidade, não é carência, mas tão-somente a vontade de formar uma união, duradoura ou não, em torno desta ou daquela atividade. Isso acontece nas artes. E vai também acontecer na ciência.

    Em 9 de junho, o presidente Lula instituiu, por decreto, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Acontecerá, a partir deste ano, sempre em outubro. A primeira edição será realizada de 18 a 24 deste mês, mobilizando cientistas, professores e estudantes de todo o país.

    Universidades estarão de portas abertas à população, cientistas visitarão escolas, haverá demonstrações em praças. Aqui no Rio, teremos um “trem da ciência”, partindo da Central do Brasil.

    Semanas de intensa difusão científica são comuns em outros países, como Reino Unido, Espanha e França. Segundo o site da revista Ciência Hoje, a edição britânica deste ano contou com mais de mil atividades!

    Concluindo a Semana, haverá o evento “O Brasil olha para o céu”. Na madrugada do dia 27 para o dia 28 desse mês, haverá um eclipse total da Lua. Equipes de astrônomos amadores e profissionais estarão atendendo a população em diversos locais, aproveitando esse belo espetáculo natural para divulgar ainda mais a ciência.

    A Fundação Planetário estará presente em diferentes lugares da cidade, participando dessa iniciativa. Fique atento à nossa programação. E, claro, olhe para o céu!